A influência do uso de medicamentos no mau hálito

Conviver com halitose é desagradável tanto para o paciente quanto para quem convive com ele. Em muitos casos, a pessoa ainda nem sabe que tem o problema e por isso não chega a tratar ou evitar.

O uso contínuo de alguns medicamentos pode influenciar na produção de saliva, o que gera mau hálito em quem não cuidar do problema. Portanto, é importante conhecer os efeitos colaterais e maneiras de evitá-los antes de iniciar qualquer tratamento com ou sem prescrição médica.

Medicamentos e mau hálito

A relação de causa e efeito entre o uso de medicamentos e mau hálito existe por conta da interferência no funcionamento das glândulas salivares. A produção insuficiente de saliva causa a sensação de boca seca (xerostomia), fazendo com quem a cavidade bucal torne-se um ambiente vulnerável ao acúmulo de restos alimentares e placa bacteriana.

A xerostomia, então, tem como uma de suas consequências a halitose, que pode ser tratada de maneira temporária com produtos específicos e, principalmente, com a eliminação da sua causa. No caso do efeito colateral de medicações, o paciente pode conversar com seu médico para alterar a dosagem ou mesmo substituir o remédio.

Principais medicamentos que causam mau hálito

Existem diversos produtos que podem afetar diretamente o fluxo salivar, incluindo alimentos e bebidas. Dentre os medicamentos, os principais são:

  • Antidepressivos;
  • Ansiolíticos;
  • Anti-histamínicos;
  • Anti-hipertensivos;
  • Diuréticos;
  • Sedativos

Cabe lembrar também que tratamentos como quimioterapia e radioterapia na região da cabeça e pescoço são grandes causadores da sensação de boca seca.

Como evitar

Há atitudes bastante conhecidas e até caseiras a serem tomadas por quem sofre com halitose. Além disso, existem produtos que ajudam a evitar o problema. Conheça três maneiras simples de impedir o mau hálito:

Hidrate-se

A hidratação constante e fracionada durante o dia é a principal maneira de evitar a sensação de boca seca. Assim, quem tem mau hálito, seja por efeito colateral de remédios ou não, deve beber bastante água, o que reduzirá o acúmulo de restos alimentares, células mortas e bactérias na região da boca.

Cuide da higiene oral

Ter cuidado diário com a limpeza dos dentes e boca é essencial para a manutenção da saúde oral plena. A higienização oral, além de impedir o surgimento de complicações como cáries, gengivite e periodontite, reduz a possibilidade do aparecimento de halitose, mesmo em quem está com xerostomia.

O cuidado adequado da saúde da boca deve ser feito com produtos de boa qualidade, incluindo escova e cremes dentais, fio dental e enxaguante bucal que não causem boca seca.

Opte por escovas com cerdas que não danifiquem os dentes ou gengiva em longo prazo, cremes e enxaguantes sem lauril sulfato de sódio e outros componentes que comprometam a saúde da boca e do organismo. Vale lembrar também que álcool e açúcar são agravantes da boca seca, logo não devem estar presentes nos produtos para higienização oral.

Use raspador ou limpador lingual

A saburra lingual, também conhecida como língua branca, é um problema que aparece especialmente em quem tem redução do fluxo salivar. Trata-se de uma placa bacteriana esbranquiçada ou amarelada que se acumula na parte posterior da boca, geralmente à noite, e causa mau hálito.

A melhor maneira de limpar a língua branca e evitar a halitose é a utilização do limpador ou do raspador lingual. O limpador de língua com cerdas é eficiente para remover todos os níveis de saburra e pode ser utilizado ainda com a ajuda de um spray para limpeza da região. Já o raspador, sem cerdas, é indicado para casos de saburra mais leves.

Quer saber mais sobre o assunto? Acesse outros posts em nosso Blog  .

 

Deixe uma resposta