Doenças cardiovasculares podem ser causadas por má higiene bucal

Sentir qualquer tipo de desconforto na cavidade bucal não é normal. Sintomas como dor, sangramento, inchaço e gosto ruim na boca devem ser tratados o quanto antes, principalmente porque podem desencadear problemas mais graves, como doenças do coração.

A relação entre complicações bucais e doenças cardiovasculares explica-se por um simples fato: os ferimentos mais críticos próximos aos dentes atingem a corrente sanguínea, que está diretamente ligada ao sistema cardiovascular. Portanto, é muito importante cuidar de cada incômodo e, de preferência, prevenir para que não ocorra.

O que pode acontecer

A disseminação de microorganismos nocivos à saúde é um dos grandes riscos para quem sofre com infecção bucal. As bactérias podem atingir outras partes do organismo a partir da doença periodontal, podendo alcançar, inclusive, o coração.

As doenças mais comuns que resultam da relação entre saúde bucal e do coração são:

  • Endocardite: infecção do revestimento interno do coração, normalmente envolvendo as válvulas cardíacas.
  • Aterosclerose: entupimento das artérias, devido ao acúmulo de gorduras, colesterol e outros elementos nas paredes e na parte internas das artérias.
  • Acidente Vascular Cerebral (AVC): também chamado de “derrame”, caracterizado pela interrupção de fornecimento de sangue ao cérebro, causando paralisia.

Quem deve se preocupar

As pessoas diagnosticadas com gengivite (inflamação nas gengivas) ou periodontite de moderada avançada são as mais vulneráveis a terem problemas cardíacos devido a complicações bucais.

Os principais sintomas dos desconfortos na boca são:

  • Vermelhidão, inchaço e sensibilidade ao toque na gengiva;
  • Sangramento na gengiva, no momento da escovação, refeição ou ao passar o fio dental;
  • Retração gengival (sensação de que a gengiva está se afastando dos dentes);
  • Gosto ruim constante na boca;
  • Halitose (mau hálito).

Como prevenir

A falta de tratamento da gengivite e periodontite e a higiene bucal inadequada são os principais agravantes do desenvolvimento de doenças cardiovasculares associadas à saúde bucal. Veja como prevenir:

Consulta ao dentista

As visitas ao dentista devem ser realizadas com frequência, em especial quando houver algum sinal de desconforto. Caso esteja aparentemente tudo em dia com a saúde bucal, recomenda-se realizar consulta de rotina, a fim de realizar uma limpeza profissional e prevenir contratempos. Nesses casos, o ideal é consultar o profissional em intervalos de seis meses a, no máximo, um ano.

Higienização

A higiene bucal adequada ainda é a principal forma de combater qualquer complicação que possa começar nos dentes ou região da gengiva. Por isso, os detalhes de cada etapa da limpeza dos dentes devem ser levados em conta, como:

  • Escova de dentes: o produto deve ser de boa qualidade, ter cerdas macias e cabeça do tamanho adequado para cada necessidade, de forma que possa atingir toda a dentição.

Além disso, a escovação deve ser realizada com movimentos curtos e suaves, para não machucar a gengiva.

  • Creme dental e enxaguante bucal: recomenda-se utilizar produtos que não agridam o esmalte dentário e a saúde bucal em médio prazo, como os itens com álcool, açúcar e Lauril sulfato de sódio (SLES).

No caso de quem já tem inflamação na boca ou esteja passando por algum tratamento de odontologia, é necessário o uso de produtos específicos, com ação que evite o acúmulo de placas bacterianas, antisséptica, adstringente, antioxidante e regeneradora do tecido gengival.

Como você tem cuidado da saúde da sua boca? Compartilhe com a gente e com as pessoas de quem você mais gosta. Talvez alguma dica pessoal possa ajudar de maneira fundamental para a melhoria da qualidade de vida de alguém.

Deixe uma resposta